Construtores de Muros

Texto de abertura: Neemias 4.

Estamos falando, neste ano, de triunfo! Estou orando para Deus me dar algumas Palavras de direção para a igreja neste sentido.

Introdução

Depois da morte de Salomão, o seu filho Roboão reforçou um conflito que dividiu o reino em dois; 1 Reis 12:1;

Dez tribos se separaram e formaram um novo reino, e chamaram a Jeroboão para reinar, sendo chamado na bíblia de Reino de Israel, ao norte; Sua capital foi Samaria

Duas tribos continuaram com Roboão formando o reino do sul, chamado de Judá; Sua capital foi Jerusalém;

O Templo que Salomão construiu ficava no reino do Sul, na capital de Jerusalém, e, como de costume, todo ano, as pessoas se dirigiam à Jerusalém para as festas judaicas;

Temendo perder o reino quando as pessoas de atravessassem para o território do sul, para irem até o Templo, Jeroboão faz dois bezerros de ouro, estabelecendo a idolatria;

As pessoas se afastaram de Deus e o reino do norte ficou desamparado, acabando invadido pela Assíria; Em 2 Reis 17:22-24 narra que a invasão da Assíria tomou a Samaria e retirou todos os moradores de lá, trazendo um povo de fora para habitar nas cidades; Foi aniquilada a crença, a cultura, o idioma; Mais tarde, a Assíria tento também tomar o reino de Judá, porém, não contavam com a oração de Ezequias.

Foi diferente do que ocorreu na invasão da Babilônia, onde uma parte dos moradores foi mantida em Judá, preservando a sua crença e sua língua, mesmo nos territórios babilônicos. Salmo 137.

Então, o problema dos habitantes de Samaria, não reside no fato de que eles eram meramente estrangeiros, e sim, e sim que eles eram ímpios, ou seja, na sua própria cultura e conjunto de crenças eram resistentes à Deus; (porque Jesus conta uma parábola de um samaritano piedoso); Quando Neemias retorna para Jerusalém, ele obrigatoriamente passa por Samaria e tem contato com essas pessoas estando, entre elas, Sambalate, Tobias e Gesém (o arábio);

A importância do muro

Você conhece a importância de algo pelo tempo que o inimigo passa lutando para destruir este algo.

Precisamos saber para quê ou para quem estamos trabalhando no muro. Quando Noé foi fazer a arca, Deus disse bem claro: “faze para ti”. Qualquer coisa que você fizer dentro dos planos de Deus o maior beneficiário é você!

E falou na presença de seus irmãos, e do exército de Samaria, e disse: Que fazem estes fracos judeus? Permitir-se-lhes-á isto? Sacrificarão? Acabá-lo-ão num só dia? Vivificarão dos montões do pó as pedras que foram queimadas? Neemias 4:2;

Essas pessoas criaram um grande dificultador para que os muros fossem reerguidos, porque elas sabiam que após a reedificação dos muros, a cidade passa a estar segura para que as casas sejam reconstruídas e o Templo também, voltando o culto e a bênção de Deus;

O inimigo trabalha na fonte, ele não quer que a semente caia na terra e frutifique, não quer que a planta tenha raiz, ele sabe que restaurar o culto a Deus trará consequências desastrosas para si e para os seus propósitos;

E foi justamente o que aconteceu mais tarde:

  • Neemias restaurou os muros;
  • O povo reconstruiu as casas dentro dos muros;
  • Ageu restaurou o Templo;
  • Esdras restaurou o culto;

Sem muro não tem culto, as brechas no muro precisam ser fechadas para que os inimigos não entrem pelas frestas; … obviamente não se faz sacrifício no muro, mas, o muro é necessário para proteger o que terá dentro, o Templo, o culto, o sacrifício.

O inimigo ataca uma coisa aparentemente menor, para que a pessoa não alcance algo maior, que virá depois que aquilo for construído. Tenha zelo e perseverança nas coisas menores, porque elas são importantes para as maiores.

Somos como os construtores daquele muro

Em muitos aspectos nós somos parecidos com esses edificadores.

Temos capacidade para fazer até o fim

Deus só dá tarefa para pessoas que ele acredita que podem realizar.

Mas, rapidamente, o muro se fechou até sua metade; porque o coração do povo se inclinava a trabalhar. Neemias 4:6; Ninguém dava nada por aquele povo, até descobrirem a capacidade que eles tinham de fazer uma grande obra com tão pouco recurso; Ninguém dava nada pelo cego de nascença até Jesus parar na escadaria do templo e vê-lo ali sentado, pedindo esmolas.

Quanto mais a obra avançava, mais a ira do inimigo aumentava. que já as roturas se começavam a tapar, iraram-se sobremodo, Neemias 4:7; Ao invés do inimigo se aquietar, desistir, seguir sua vida, ele irou-se ainda mais. É assim que acontece quando nos dispomos a restaurar algo importante em nossa vida, em nossa comunidade, em nosso meio.

Vamos ver três momentos em que Sambalate e Tobias intifaram de forma diferente contra os regressos do cativeiro e por meio desses eventos.

1)   Ataque frontal

E ligaram-se entre si todos, para virem guerrear contra Jerusalém, e para os desviarem do seu intento. Neemias 4:8;

Neemias orou e realocou as pessoas que estavam ajudando a carregar os materiais para serem guardas, e isso enfraqueceu aos carregadores, que em menor número tinham que manter o mesmo ritmo do trabalho. Às vezes, o inimigo quer fazer uma intifada forte!

Porém nós oramos ao nosso Deus e pusemos uma guarda contra eles, de dia e de noite, por causa deles. Então disse Judá: Já desfaleceram as forças dos carregadores, e o pó é muito, e nós não poderemos edificar o muro. Neemias 4:9,10;

2)Infiltração

Disseram, porém, os nossos inimigos: Nada saberão disto, nem verão, até que entremos no meio deles, e os matemos; assim faremos cessar a obra.

A segunda estratégia do inimigo era a infiltração. Neste caso, tinha uma poderosa unidade entre aquelas pessoas, que frustrou os planos de seus inimigos. Quem estava trabalhando ali, tinha um senso se dever, compromisso e unidade, pois, ali estavam as suas famílias. Neemias tinha também alistado os nomes de todas as pessoas que estavam trabalhando na Obra, então, pela organização e aliança, os inimigos não conseguiram se infiltrar entre eles;

3)Sutis ameaças

E sucedeu que, vindo os judeus que habitavam entre eles, dez vezes nos disseram: De todos os lugares, tornarão contra nós. Então pus guardas nos lugares baixos por detrás do muro e nos altos; e pus ao povo pelas suas famílias com as suas espadas, com as suas lanças, e com os seus arcos. Neemias 4:12,13;

Além de lidar com inimigos velados, Neemias e os demais líderes tinham que lidar com judeus bandeados para o outro lado, opositores sutis que levavam e traziam notícias que aumentavam os temores. Neemias colocou pessoas de valor atrás dos muros, nas partes baixas e altas, com armas diferentes;

Como Neemias e os regressos triunfaram?

Quero deixar três recomendações à igreja, baseadas nesta Palavra.

1)Resistência

Ninguém chegou efetivamente a usar qualquer de suas armas. Era uma guerra mental, a guerra foi emocional, espiritual, pois o maior inimigo que eles enfrentaram era interno, somente a desistência deles é que poderia fazer eles pararem a obra… E olhei, e levantei-me, e disse aos nobres, aos magistrados, e ao restante do povo: Não os temais; lembrai-vos do grande e terrível Senhor, e pelejai pelos vossos irmãos, vossos filhos, vossas mulheres e vossas casas. E sucedeu que, ouvindo os nossos inimigos que já o sabíamos, e que Deus tinha dissipado o conselho deles, todos voltamos ao muro, cada um à sua obra. Neemias 4:14,15.

Sujeitai-vos, pois, a Deus, resisti ao diabo, e ele fugirá de vós. Tiago 4:7;

2)Propósito

Aquele povo estava dedicado naquele projeto porque eles lutavam por algo significativo, eles lutavam pelas suas famílias. Aqueles muros iriam salvaguardar a segurança de suas casas, eles poderiam dormir bem à noite, seguros, assentar à mesa e usufruir de comunhão sem se preocuparem com ameaças externas… eles teriam paz.

3)Sacrifício

Havia poucos trabalhadores para aquela grande e extensa obra, por isso, precisava de esforço além de suas capacidades em alguns momentos, precisavam de organização e unidade, pois tinham que ficar alertas para correr a um determinado ponto do muro caso a trombeta tocasse; Os que edificavam o muro, os que traziam as cargas e os que carregavam, cada um com uma das mãos fazia a obra e na outra tinha as armas. Neemias 4:17;

Considerações finais

Se você foi convidado a estar envolvido com qualquer construção, pare para pensar se não se trata de Deus ter confiado a você algo que vai edificar a sua vida, aonde você mesmo vai ser o maior beneficiário de tudo isso.

Pense que você pode ser parte da ajuda, da solução e pense que você conhecerá mais a Deus, terá seu nome arrolado entre os edificadores e, por fim, será abençoado por Deus.

Please follow and like us:
Pin Share